Tags

, ,

O ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes) é uma prova aplicada pelo Ministério da Educação a estudantes ingressantes e finalistas da graduação, escolhidos por amostragem. Eles fazem uma prova sobre seu curso e preenchem um questionário sobre a estrutura da Instituição na qual estudam, e os resultados são utilizados para avaliar as instituições. Se um aluno for selecionado para fazer o ENADE e não fizer, ele se ferra em verde e amarelo, não podendo receber diploma.

(Paira no ar a ameaça de fechamento dos cursos com piores notas. Eu realmente acho isso injusto. Eu compreendo que onde os cursos têm piores notas, os alunos têm mais dificuldades, a estrutura é PIOR, é exatamente onde este curso é mais necessário. O curso de Medicina da UFAM está por um triz, dizem. E vão fechar uma faculdade de Medicina no Amazonas, gente? NO AMAZONAS, onde há défice de profissionais de saúde? Mas, este não é o foco do texto, e eu nem tenho embasamento suficiente pra ter opinião sólida.)

Eu fiz o ENADE 2006. Era finalista do curso de Administração, e fui selecionada por azareio. Tive uma nota relativamente alta, igual à nota mais alta dos finalistas da minha instituição, o que não quer dizer que eu seja brilhante. Deixei três questões discursivas em branco por absoluta ignorância sobe o que deveria ser escrito ali, errei uma porção de questões de Administração Financeira, Contabilidade e Estatística, que sempre foram meu ponto fraco. Eu e todos os meus colegas achamos a prova relativamente fácil, e ninguém em momento algum cogitou fazer boicote e entregar a prova em branco, como alguns outros estudantes de outros estados, cursos e instituições fizeram.

Há um rodízio das áreas a serem avaliadas a cada ano. Temos então em 2004 os cursos de Agronomia, Zootecnia, Serviço Social, e um mix da área de saúde (Enfermagem, Educação Física, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Med. Veterinária, Nutrição, Odonto, Terapia Ocupacional). O que Serviço Social faz aí nesse meio?

Em 2005, temos Física, Química, Biologia, Pedagogia, Arquitetura e Urbanismo, História, Geografia, Filosofia, Ciências Sociais, Matemática, Letras, e um mix de Engenharias(dezenas) e Coisas de Computador. Uma baita salada de humanas e exatas, onde a Arquitetura deve ter se sentido muito à vontade e a Biologia deve ter ficado no cantinho sem falar com ninguém.

Em 2006, o meu ano, tivemos uma relativa uniformidade. Administração, Arquivologia, Biblioteconomia, Biomedicina, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Comunicação Social, Design, Direito, Normal Superior, Música, Psicologia, Secretariado executivo, TEATRO e Turismo. A Biomedicina está bastante deslocada entre uma porção de cursos de Sociais Aplicadas (eu posso dizer Humanas II, ou isso não se usa mais?). Eu sei que neste ano houve uma quantidade imensa de alunos sendo avaliados, porque Administração é um curso populoso. Qualquer faculdade abre curso de administração, porque o mercado pede apertadores de parafuso com diploma e anel. (Sou crítica pra caramba dessa exigência universal de curso superior. Tem muito cargo que não utiliza tal habilidade, e tem muita gente MAIS REALIZADA se cursasse algum curso técnico. Nem todo mundo precisa/ gosta da Academia.)

A tendência é repetir esta sequência, pois nenhuma área deve ficar mais de três anos sem ser avaliada.

*******

Mas vamos ao tema do post. Tive vontade de falar disso porque, como disse no post anterior, agora sou vestibulanda de um curso superior em Teatro, e resolvi verificar em quais outros lugares do Brasil há essa graduação. Em 2006, foram avaliados 34 cursos de teatro, em 14 Estados. Tirei os dados e o gráfico daqui: [http://www.inep.gov.br/download/enade/2006/relatorios/teatro_relatoriofinal.pdf] O documento é um belo relatório de 177 páginas sobre como o ENADE foi pensado, realizado, tabulado, com análise dos resultados dos alunos.

Tabela Cursos de Teatro ENADE 2006

Tabela Cursos de Teatro ENADE 2006

Então, vejamos as cidades e instituições que ofereciam o curso superior em Teatro no ano de 2006. Onze cursos em São Paulo, sendo: Ribeirão Preto (Centro Universitário Barão de Mauá), Santo André (Faculdades Integrada Sagrado Coração de Jesus), Sorocaba (Universidade de Sorocaba), Bauru (Universidade do Sagrado Coração), Campinas (UNICAMP), Pindamonhangaba (Faculdade Santa Cecília). Na capital, temos a Faculdade Paulista de Artes, a particular PUC, a Faculdade Anhembi-Morumbi, a estadual UNESP e a Universidade São Judas Tadeu.

Quatro cursos em Minas Gerais, sendo: Montes Claros (Universidade Estadual de Montes Claros), Ouro Preto (Universidade Federal de Ouro Preto), Uberlândia (Universidade Federal de Uberlândia), e na capital, a Universidade Federal de Minas Gerais.

Três cursos no Rio Grande do Sul, sendo: Santa Maria (Universidade Federal de Santa Maria), Montenegro (Universidade Estadual do RS), e na capital, a Universidade Federal do RS.

Dois cursos na Bahia, sendo ambos na capital: Faculdade Social da Bahia e Universidade Federal da Bahia.

Dois cursos no Distrito Federal, em Brasília, a capital por excelência. Na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes, e na UNB. (Eu me lembro muito claramente de mim mesma, em 2004, prometendo voltar a Brasília para fazer este curso, ainda que eu tivesse 60 anos ou mais. Você lembra, Poeta? poetamatematico.wordpress.com)

Dois cursos no Paraná, um em Londrina, na Universidade Estadual de Londrina, e outro na capital, na Faculdade de Artes do Paraná.

Dois no Rio de Janeiro, ambos na capital. Um na UniRio e um na UFRJ. (Eu acho o nome da Uni Rio tão estranho. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, e o apelido é UNIRIO? Parece sigla de particular, não? E como pode ser, Federal do Estado? É engraçado pra quem vê de fora.)

Mais dois em Santa Catarina, em Blumenau (Universidade Regional de Blumenau, FURB), e em Florianópolis na UDESC.

E aí vêm seis estados que oferecem o curso na capital, por Universidades Federais: Alagoas, Goiás, Maranhão, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Pra manter o padrão: Maceió (UFAL), Goiânia (UFG), São Luís (UFMA), João Pessoa (UFPB), Recife (UFPE) e Natal(UFRN).

Esses foram os cursos avaliados em 2006. E depois de juntar esses dados, eu me perguntei: e em 2009, será que entrou algum curso novo? E achei a resposta.

Mas como esse post já está gigantesco, eu continuo no próximo.

Anúncios